2° Nota de Conjuntura Brigadas Populares – Fortalecer PSOL – O Andar De Cima Declara Guerra!

2° Nota de Conjuntura Brigadas Populares – Fortalecer PSOL – O Andar De Cima Declara Guerra!

A condenação, sem provas, do ex-presidente Lula, pelo TRF-4 em Porto Alegre no dia 24 de Janeiro foi um acontecimento de grande significado para a história brasileira. Indica a ruptura completa das elites políticas e econômicas com o pacto político que se iniciou com a promulgação da Constituição de 88. Diante deste quadro, a qualidade e a intensidade da luta de classes no Brasil se altera profundamente e abre um novo cenário de disputas sociais,

No dia 24 de Janeiro, desobedeça! Nota das Brigadas Populares sobre o julgamento de Lula

A condenação e obstrução da candidatura de Lula é uma medida de consolidação do golpe e sua reprodução como um regime político inconstitucional

No dia 24 de janeiro de 2018 o Tribunal Regional Federal da 4° Região, sediado em Porto Alegre, julgará o recurso da defesa do ex-presidente Lula relativo a sentença proferida pelo Juiz Sérgio Moro (Curitiba) que condena, em primeira instância, o pré-candidato à presidência do PT a 9 anos e meio de prisão por supostos crimes de lavagem de dinheiro envolvendo a construtora OAS, empresa que teria repassado ao sentenciado a propriedade de um apartamento

Nasce a Ocupação Vicentão no coração de Belo Horizonte!

Nasce a Ocupação Vicentão no coração de Belo Horizonte!

O ano de 2018 se inicia com ventos que sopram desde os de baixo, fazendo tremer a estrutura de poder das elites que golpeiam o povo brasileiro. Uma nova ocupação de famílias sem teto nasce no centro de BH, na rua Espírito Santo 461, da organização e da coragem das mulheres, homens, crianças e idosos que desatam as correntes da opressão e se colocam em luta por uma cidade onde caibam todas e todos.  O

Luta permanente pela mobilidade urbana

Luta permanente pela mobilidade urbana

Mais um ano, mais um aumento e um ônibus sempre pior. As únicas mudanças na terrível mobilidade urbana de Florianópolis são constantes: tarifa mais cara, transporte coletivo pior, promessas quebradas e obras mirabolantes, que prometem “salvar” a cidade, inacabadas. Constante como a tarifa do busão é a resistência contra ela, que aparece com mais força quando chega o aumento. Em alguns bancos do busão ainda se vê o “R$2,70 Não Dá” riscado por cima com