Nas eleições de 2018 a felicidade e o futuro do povo brasileiro estão em jogo. Depois de 30 anos de superação da ditadura militar e de promugação da Constituição Cidadã, que incorporou à política princípios democráticos, de desenvolvimento soberano e de inclusão social, voltamos a viver tempos sombrios, tempos de medo, tempos de tristeza. Um candidato militar, associado ao grande capital internacional e aos banqueiros, navega nos sentimentos de desamparo, medo e desesperança da população, disseminando o ódio e a violência para destruir ainda mais a democracia, a soberania e os direitos do povo.

O que fizeram com o nosso Brasil? Desde janeiro de 2015 uma crise econômica e política assola nosso país, quando Aécio Neves e outros políticos e setores do consórcio golpista não aceitaram o resultado da vontade popular nas urnas e apostaram em um ambiente de terra arrasada que obstruiu o governo Dilma e culminou no golpe de 2016. O governo ilegítimo de Michel Temer e os congressistas golpistas de brasília foram entregues nossas riquezas e nosso nosso patrimônio nacional – o pré-sal, as terras nacionais, as empresas estatais. Foram aplicadas medidas de retirada de direitos sociais e trabalhistas, de cortes de investimentos que pioraram a vida do povo e deprimiram a economia gerando mais desemprego e precarização do trabalho.

O que está em jogo no 2º turno é o futuro do povo brasileiro. Temos duas candidaturas muito bem delimitadas. Uma representada pela candidatura de Jair Bolsonaro, aliada a tudo de mais reacionário na sociedade brasileira, a grupos estrangeiros e com fortes traços autoritários e fascistas. A outra representada pela candidatura de Fernando Haddad (PT) que aglutina a seu redor as forças democráticas e progressistas do Brasil.

Cabe ao povo brasileiro escolher o caminho de unificação do país em torno de uma agenda de crescimento econômico com justiça social, ou apostar na arriscada agenda de retirada de direitos e disseminação do ódio. Bolsonaro tenta reproduzir uma farsa construída pela mídia nos últimos anos que divide o povo brasileiro entre coxinhas e os pão com mortadela. A quem interessa essa polarização? A quem interessa a divisão do povo trabalhador? Interessa principalmente ao consórcio de forças golpistas e conservadoras: partidos privatizadores, que se vinculam às grandes empresas internacionais, à Rede Globo e às petroleiras norte-americanas. Defendem os interesses do capital internacional, um Estado fraco e uma população SUBMISSA.

Mais do que nunca é preciso entender a verdadeira polarização do Brasil. Ela se dá entre a elite – menos de 1% da população – e a maioria da sociedade brasileira. Não podemos cair nas armadilhas do medo e do desespero. Nossa tarefa é a organização e a mobilização do TODO, do conjunto de forças dispostas a fazer frente as elites econômicas e oligarquias (Casa Grande) e aos interesses extrangeiros (Casa Branca) e a construir, no cotidiano e em todas as quebradas, uma força popular que lute pela nossa soberania energética e pela autodeterminação e liberdade REAL do povo brasileiro e latino-americano.

Jair Bolsonaro representa essa candidatura do 1% da população brasileira, dessa elite entreguista. Seu “posto Ipiranga” (o banqueiro Paulo Guedes) fala em privatizar tudo que der – o que fará com que sua empresa de investimentos lucre bilhões – e o seu vice (General Mourão) fala em retirada de direitos históricos da classe trabalhadora como o 13º salário.

Por isso as Brigadas Populares está com Fernando Haddad nesse segundo turno, que é o mesmo que estar ao lado da democracia, dos direitos trabalhistas e da soberania nacional e contra o fascismo, a tortura e os ataques contra a classe trabalhadora, as mulheres, as comunidades tradicionais, o povo negro.

O verde e amarelo é nosso, dos patriotas que defendem verdadeiramente o Brasil e seus recursos naturais e minerais, seu patrimônio e sua riqueza maior que é o seu povo. Convocamos todos/as os/as patriotas para se somar em uma resistência democrática na luta contra o autoritarismo e em defesa do Brasil.

Nas urnas, nas ruas, nas quebradas, nas redes vamos derrotar Jair Bolsonaro e votar 13 no dia 28 de outubro, porque o povo brasileiro tem direito a construir seu próprio destino!

Coordenação Política Nacional das Brigadas Populares

É hora de defender o Brasil – Vamos com Haddad e Manuela 13

Uma ideia sobre “É hora de defender o Brasil – Vamos com Haddad e Manuela 13

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *